Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

Ás ao Volante

 

Hoje é notoriamente sexta-feira. O trânsito mostrou-se bastante caótico, característica intrínseca das sextas-feiras. Se assim não fosse, não seria sexta-feira! E parece que havia a atribuição do prémio de “melhor ás(no) ao volante”.

 

Começando por uma senhora toda empiriquitada montada num belo de um jipaço! Já vos disse que o meu colégio fica numa zona de gente cheia de dinheiro e que os papás dos meninos são novos-ricos? Pois. Então o que é natural ver-se naquela zona são grandes máquinas. Nas filas de trânsito vemos um BMW seguido de um Mercedes, depois um Audi, depois um Saab, e por aí afora. Carros de pobres há 2 ou 3 enganados lá no meio.

Voltando à “rica senhora”, ela vinha tão entusiasmada no seu jipe que se ia enfaixando contra o pobre do meu autocarro. E ainda por cima chocava mesmo contra o banco onde eu ia sentada! Cruzes, credo! Ainda bem que não era sexta-feira 13!

 

Mas o pior, pior, pior, foi um “senhorito” no parque de estacionamento do metro.

Imaginem a situação: lugar para estacionar mesmo em frente à porta do metro e uma plateia feminina numerosa.

Vem o gajo feito ganancioso estacionar o carro. Primeira tentativa. Esqueceu-se que o carro dele não era o kit (do Justiceiro, lembram-se?) e não fazia curvas perpendiculares.

Segunda tentativa. Marcha atrás e voltamos a fazer a mesma asneira. Mas desta vez a curva foi ainda mais apertadinha. Resultado: um roçar horroroso dos plásticos laterais do carro do gajo nos faróis do coitado do carro estacionado.

Gáudio geral na plateia feminina. Era risota, dicas e gesticulanço a ensinar o gajo a estacionar. Nada feito.

Terceira tentativa. Marcha atrás e… pumba! Um toque no desgraçado que ia a passar por trás. Mas o mais giro é que o gajo não deu por isso. Lá saiu o outro do carro, foi-lhe bater no vidro e dizer que o gajo tinha batido. Acho que ele não tugiu nem mugiu e voltou para o carro. O dono do carro com o toque, deu uns murros na batida e aquilo lá endireitou…

 

Ora, um ser masculino, que dizem ter uma aptidão natural para a condução destas máquinas, sofrer uma humilhação destas perante uma plateia feminina? Só pode ser um pesadelo!

O gajo acabou por reconhecer que era incapaz de enfiar ali o carro e decidiu ir estacionar noutro lugar vago na fila de trás. Não sem antes ter… ameaçado dar outra trancada no carro estacionado!

Conclusão: a vergonha e a humilhação foi tanta ou tão pouca que o gajo só saiu do carro depois de todas termos entrado no autocarro. Ahahaha!   

                                      

 

 

Acidente no Supermercado

 

Opa, deixaram-me com a pulga atrás da orelha todo o dia e durante mais uns dias concerteza!

Hoje apanhei a enfermeira trenga-bechigosa. Tratou-me aqui da cratera e depois fez uma observação que me deixou inquieta: “ah, tem aqui uma bolha escura e brilhante... “. O que será? Ocorreu-me tudo. Será uma bola de cristal? Um novo planeta desconhecido da humanidade? Um vulcão prestes a entrar em erupção? Ou ainda, um novo microcosmos em formação? Pois, meus amigos, não vos sei responder. Mas parece que esta bolha já cá anda desde a cirurgia. Mas agora estou preocupada q.b. e intrigada. A enfermeira trenga-bechigosa largou a bomba e depois não adiantou mais conversa nenhuma. Eu bem lhe fiz perguntas mas ela esquivou-se. Trenga!

Andei a perguntar aos meus enfermeiros caseiros se a bolha era novidade. Mas afinal parece que não.

 

Hoje fui atropelada. Não se assustem! Não vale a pena! E não foi grave. Precisava de umas comprinhas aqui para casa e fui ao supermercado. Fiz as minhas comprinhas descansadamente – mas sempre a pensar na bolha -, circulei pelos corredores para ver se não me faltava e nada quando me dirigia para as caixas…ZÁS!!! Fui atropelada! Maldito homem!

Sabem o que é vocês irem muito descansadinhos da vida a caminhar para a caixa, sem sair da vossa faixa de rodagem, vir um gajo por trás e enfaixar um carro nas vossas traseiras? Pois foi assim mesmo. Isto agora é assim: batidela por trás, foge-se à batida e não se arca com as consequências. O raio do homem podia ao menos ter pedido desculpa, não era? Naaaa… custa muito.

Mas eu sei qual foi o motivo do atropelamento: é que a porra do homem queria o meu lugar na fila!!! Queria ultrapassar-me para ficar à minha frente. Sacanóide! Mas não conseguiu aquilo que queria. Tramei-lhe o esquema.

Sabem o que é que aquela abécula merecia que eu lhe tivesse dito? “ Ai querias o meu lugar na fila, querias? Atropelaste-me e nem desculpa pediste? Então agora vais cumprir aquela máxima muito conhecida: quem bate por trás, paga! E agora vais TU pagar as minhas compras para te redimires da tua asneira…” Tinha sido bem dito, não tinha? Mas não disse… Até lhe podia ter pedido uma indemnização à conta da minha cratera. As coisas andam más aqui para estes lados e uns trocos extras sabiam muito bem…